Ocupação, apenas mais um vício

Dezembro já chegou, menos de vinte e cinco dias já é natal e o ano novo acontece na semana após. Parece que a chegada de Dezembro é esperada por todos, mas também parece que todos querem que ele vá embora, para aproveitar os poucos dias de descanso, para tentar aliviar a tensão de um ano que se passou.

Nas férias, ou até mesmo em dezembro, juramos todos os anos para nós mesmos, que tornaremos nossa vida mais tranqüila naquele ano que está somente começando ou a começar. Compramos uma agenda e dizemos para nós mesmos, que pelo menos as noites e os finais de semana vamos tirar para ‘curtir’ a vida, para vivermos realmente a nossa vida.

Mas passada as férias começamos novamente naquele ciclo de fazermos um pouquinho de tudo, e mais um ano se passa e não acabamos fazendo nada. Vivemos uma vida cheia, porque fazemos de tudo um pouco, mais totalmente incompleta e vazia no estado de ser.

Quando para pensar em uma vida completa penso em Jesus, ele viveu para todos, ajudou a todos, mas não usou a ‘desculpa da ocupação’ para ficar estagnado. Ele passava pelas cidades ajudando as pessoas, mas tinha em mente o objetivo da vida dele, que era ajudar as pessoas, mas o principal, se entregando pela salvação de todos.

Por isso ele não se ocupava demais em um lugar, para não perder o foco de sua vida, ele dizia não para as circunstâncias que lhe ocupariam e o tirariam da sua trajetória, porque ele já havia dito ‘sim’ para o real objetivo da sua vida.

Se perguntassem para você ou eu: “você sabe dizer não? – Qual seria a resposta?

Ou quantos “sim” você disse que não era para dizer?

Queremos abraçar o mundo, mas esquecemos de abraçar a ‘causa’ de nossas vidas. Queremos fazer tudo, porque amamos dizer que estamos ocupados, parece que isso nos tornar importantes, mas na realidade só nos deixa com a sensação de vazio e fracasso.

Você e eu temos uma “causa”, a minha pode ser diferente da sua, mas todos nasceram com uma, e Deus nos deu uma força especial, para realizarmos, mas quando nós nos envolvemos demais com coisas que não se referem a ela, parece que perdemos essa força, ficamos confusos e frustrados.

Se você se sente assim está na hora de parar, não só prometer no início do ano, e quando chegar ao final do próximo parar e perguntar, “o que fiz nesse ano que valeu realmente a pena?”

Pare e pergunte a você mesmo, o que vale e não vale a pena fazer, por causa do seu sonho!

Não se deixe ficar mais um ano viciado nessa droga chamada ocupação!

Não seja ocupado demais para deixar a vida passar e não realizar os seus sonhos!

O que me resta é lhe perguntar:

Você quer mesmo largar o vicio da ocupação?

A minha resposta foi: SIM

Anderson Menger

Nenhum comentário:

Postar um comentário

INSTAGRAM FEED

@AndersonMenger