A prática leva a perfeição

prática do discipulado, vida cristã, excelência,

Qualquer um que já alcançou em um nível realmente elevado sabe que não há nenhum substituto para a prática. Claro, todos nós já ouvimos histórias de pessoas excepcionalmente talentosos que são capazes de dominar um assunto ou disciplina em sua primeira introdução a ele. Mas esses tipos de pessoas são as exceções e não a norma. Para a maioria, o domínio exige muito trabalho. Os melhores escritores e os pensadores e os jogadores e os trabalhadores e os músicos são consultados frequentemente como aqueles que põem o mais tempo em algo. "Era o primeiro a entrar e o último a sair," dizem. "Ninguém trabalhou mais do que ela." Depois que ele examinou o que faz com sucesso as pessoas de sucesso, Malcolm Gladwell sugeriu que cada um leva cerca de dez mil horas para se tornar um especialista em seu campo. Dez mil horas! Basicamente cinco anos de trabalho em tempo integral de acordo com a semana de trabalho. Em outras palavras, prática. Fazendo a mesma coisa uma e outra e outra vez. É assim que você fica bom. É assim que você cresce.


A questão aqui é esta: Será que isso se traduz para o discipulado cristão e para a vida cristã? É possível melhorar e mostrar mais misericórdia? Crescer em generosidade? Tornar-se mais amoroso? Ser um vizinho melhor? E, se sim, o crescimento dessas áreas está relacionado à prática? Dito de outra forma, a vida cristã é como tudo na vida? Trata-se de dedicar-se às horas ou de nos dedicar uma e outra vez à disciplina de cultivar uma vida virtuosa? É possível dizermos a alguém que manifesta uma generosidade espantosa: "Essa é a coisa mais generosa que eu já vi", só para ouvir deles: "Sabe, quanto mais generoso eu sou, mais generoso me torno "?
Eu acho que a resposta a essas perguntas é sim. O Apóstolo Pedro certamente estava muito confortável falando sobre a prática como tendendo para o crescimento no discipulado cristão. Ele escreve: "Por essa razão, faça todos os esforços para completar a sua fé. Pois se essas qualidades são suas e estão aumentando, elas impedem que você seja ineficaz e infrutífera. Portanto, irmãos, ser ainda mais diligente para confirmar a sua vocação e eleição, pois se você praticar essas qualidades que você nunca irá falhar "( 2 Pedro 1: 5-10 ). Da mesma forma, o apóstolo Paulo muitas vezes usou metáforas de crescimento e frutificação para descrever a vida cristã:
E assim, desde o dia em que ouvimos, não cessamos de orar por vós, pedindo que sejais cheios do conhecimento de sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual, para andar de maneira digna do Senhor, plenamente Agradando-lhe, dando fruto em toda boa obra e aumentando no conhecimento de Deus. Colossenses 1: 9-10 )
Quanto mais nos entregarmos a essas coisas que são boas, certas e verdadeiras e belas e adoráveis, mais elas se enraizam em nós e nos moldam. De uma maneira estranha, nós nos tornamos eles fazendo-os. Filósofos e teólogos têm reconhecido isso. O salmista apresenta este princípio quando fala daqueles que adoram ídolos: "Aqueles que os fazem se tornam como eles; assim como todos os que neles confiam "( Sl. 115: 8 ; ver 135: 18). Esta é apenas a maneira que nós como seres humanos foram feitos para aprender. Mais do que percebemos, nossas vidas são moldadas pelos rituais, pelas liturgias e pelas coisas com que freqüentemente nos entregamos. É nesta perspectiva que a sabedoria dos Provérbios faz bom senso: "Não faças amizade com um homem dado à ira, nem ir com um homem colérico, para que não aprendas as suas veredas, e enredar-se em uma armadilha" ( . Pv 22: 24- 25 ). Este é certamente o que está por trás o velho axioma de que as más companhias corrompem os bons costumes ( 1 Cor. 15:33 ).
De uma maneira estranha, então, aquelas coisas que nós nos entregamos nos dão forma e nos fazem, geralmente a sua própria imagem. Um teólogo entendeu isso quando observou como a adoração transforma os humanos e como nos tornamos o que adoramos:
Deus fez os humanos refleti-lo, mas se eles não se comprometerem com ele, eles não o refletirão, mas algo mais na criação. No núcleo de nossos seres somos criaturas de imagem. Não é possível ser neutro sobre esta questão: ou refletimos o Criador ou algo na criação. O que as pessoas reverenciam, elas se assemelham, quer à ruína, quer à restauração.
Quanto mais nos entregarmos às virtudes da vida cristã e quanto mais praticarmos a ética do reino de Deus, mais essas virtudes e éticas irão enraizar-se em nós, mais elas nos moldarão, e quanto mais elas fizerem, mais parecidos com o Senhor Jesus Cristo, aquele que foi perfeito em todos os sentidos, seremos.

2 comentários:

INSTAGRAM FEED

@AndersonMenger